Nocturnal Drawing Serie or maybe Mapping

There are no maps of Vienna by the moonlight. (Gombrich, 1975, p. 127), so perhaps there could be maps of nightlife in the city of Porto or, to a lesser extent, a map of the night in a small bar in São João da Madeira. Maybe Nocturnal Drawings Mapping.

Não há mapas de Viena à luz da Lua. (Gombrich, 1975, p. 127), então talvez possam existir mapas da vida noturna na cidade do Porto ou, numa menor escala, um mapa da noite num pequeno bar em São João da Madeira.

noctural map of sjm
Cardoso José (2018-2020) Nocturnal Map of Old Rock Bar in São João da Madeira Sketchbook. 3840x2645px.

The well-known phrase of the art historian Ernst Gombrich (1909-2001) appears in a context in which the conventional way in which maps offer a normative and codified geographic information, which is not influenced by the perception of a subject in loco, is underlined. In fact, it is not a concern of cartography to represent the tonal values ​​resulting from lighting and climatic conditions (which evolve over the hours of the day and according to the seasons of the year, always subject to interpretation with a strong subjective charge and consequent implication in the experience of places), these are not covered by the cartographic code.

What if the purpose of maps is not a topographical description or Wayfinding, but rather the visualization of subjective experiences of places? Doesn’t it then make sense to produce descriptions of these places at night and in loco and ad vivum, in order to include the perceptive and emotional conditions, dictated or influenced by the absence of light?

If there are no maps of Vienna in the Moonlight, then maybe there can be maps of the nightlife in the city of Porto or, on a smaller scale, a map of the night in a small bar in São João da Madeira. In this case, perhaps a greater reciprocity between various senses can be achieved, given the effect that the mitigation of vision has on the expansion or activation of the sense of touch during recognition of the place. Therefore, perhaps the conditioning of observation during the drawing at night, provides an observation that uses as many of the five senses as can be reached through the eye, at the same time (Nicolaides, 1990, p. 5). Perhaps, a memorable representation for being more complete, for being multisensory.

A conhecida frase do historiador de arte Ernst Gombrich (1909-2001) surge num contexto no qual é sublinhada a forma convencional como os mapas oferecem uma informação geográfica normativa e codificada, que não é influenciada pela perceção de um sujeito in loco. De facto, não sendo uma preocupação da cartografia representar os valores tonais resultantes das condições lumínicas e climáticas (que evoluem ao longo das horas do dia e conforme as estações do ano, sempre passíveis de uma interpretação com forte carga subjetiva e consequente implicação na experiência dos lugares), estas não são contempladas pelo código cartográfico.

E se o propósito dos mapas não for uma descrição topográfica ou Wayfinding, mas sim a visualização de experiências subjetivas dos lugares? Não fará então sentido produzir descrições desses lugares à noite e in loco e ad vivum, de forma a incluir as condicionantes percetivas e emocionais, ditadas ou influenciadas pela ausência de luz?

Se não existem mapas de Viena ao Luar, então talvez possam existir mapas da vida noturna na cidade do Porto ou, numa menor escala, um mapa da noite num pequeno bar em São João da Madeira. Nesse caso, talvez se consiga uma maior reciprocidade entre vários sentidos, dado esse efeito que a mitigação da visão tem na ampliação ou ativação do sentido do tacto durante o reconhecimento do lugar. Assim sendo, talvez o condicionamento da observação durante o desenho à noite, proporcione uma observação que utilize tantos dos cinco sentidos, quantos se possam alcançar através do olho, num só tempo (Nicolaides, 1990, p. 5). Quiçá, uma representação memorável por ser mais completa, por ser multissensorial.

Nocturnal Drawing Mapping Serie

Cardoso José (2018-2020) 53 Nocturnal Drawings Sketchbook. Bic ballpoint pen on double pages. 28x28cm.

This sequential series of 53 nocturnal drawings shows the conscious use of the reciprocity of the senses, as a strategy for the representation of places. The meaning of the images, which becomes memorable for the author, comes from the way in which the drawing emerges, from a conscious relationship between the designer’s body and the place represented. This bodily relationship between the author/drawer and the place is materialized in the series of drawings,  constituting a sensitive fabric made to measure for the body of the place.

When a selection of images from this series is composed on a page, it becomes possible to be interpreted by other viewers. A composition with origins in an analogue medium, but adaptable in its response to various formats and supports, whether analogue or digital.

It shows a script of what develops throughout the night in the same place, seen from different angles and over several hours. The joint presentation of views from the same place seems to highlight more temporal references at the expense of geographic references. Thus, it offers the observer a certain voyeuristic connotation, which moves away from the action, in order to observe better.

It is in this sense that the composition of these drawings is proposed as a design strategy, ‘tailor-made’ maps of the body of places (Carvalho Cardoso, 2019). Maybe Tailor Made Maps, or Nocturnal Drawing Mapping.

Esta série sequencial de 53 desenhos noturnos, mostra o uso consciente da reciprocidade dos sentidos, enquanto estratégia para a representação dos lugares. O significado das imagens, que se torna memorável para o autor, tem origem na forma como o desenho vai surgindo, a partir de uma relação consciente entre o corpo do desenhador e o lugar representado. Esta relação corpórea entre o autor/desenhador e o lugar é materializada na série de desenhos,  constituindo-se como um tecido sensível feito à medida do corpo do lugar. 

Quando uma seleção de imagens desta série é composta numa página, torna-se passível de ser interpretado por outros espectadores. Uma composição com orígem num meio analógico, mas adaptável de forma resposiva a vários formatos e suportes, sejam eles analógicos ou digitais.

Mostra um roteiro do que se desenvolve ao longo da noite no mesmo lugar, visto a partir de diversos ângulos e ao longo de várias horas. A apresentação em conjunto das vistas do mesmo lugar parece destacar mais as referências temporais em detrimento das referências geográficas. Assim, oferece ao observador uma certa conotação de voyeur, que se afasta da ação, para melhor observar.

É neste sentido que a composição destes desenhos é proposta enquanto estratégia de design, mapas ‘feitos à medida’ do corpo dos lugares (Carvalho Cardoso, 2019). Talvez Tailor Made Maps.

Bibliografia

  • Carvalho Cardoso, José Miguel. 2019a. “Maps ‘Tailor Made’ to the Body of Places: Design Strategies Against the Indifference of Representation.” Design Journal 22(1):97–108. doi: 10.1080/14606925.2019.1560719.
  • Gombrich, Ernst. 1975. “Review Lecture Mirror and Map: Theories of Pictorial Representation.” Philosophical Transactions of the Royal Society of London. , Biological Sciences Series B(270(903)):119–49.
  • Nicolaides, Kimon. 1990. The Natural Way To Draw. Boston: Mariner Books.